sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

EMANCIPAÇÃO POLÍTICA E HISTORIA DE SÃO JOSÉ DE ESPINHARSAS – PB


O Município de São José de Espinharas está encravado na área da grande Patos, que corresponde parte da região do médio Sertão Paraibano e ocupa os dois lados da Bacia do Rio Espinharas, que por sua vez, é um tributário do grande Rio Piranhas, que partindo da Serra da Borborema, penetra no Estado do Rio Grande do Norte desaguando no Atlântico Norte Potiguar. São José de Espinharas tem uma área territorial de 735,8 Km2 atualmente, e já possuiu no ano de 1974 um total de 446 estabelecimentos Agropastoris, segundo dados fornecidos pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA). A sede do Município fica a 23 Km de Patos, a 30 de Malta, a 25 de Serra Negra do Norte e a l8 de Ipueira (RN). É servido por duas estradas de Rodagens: A PB 110, que vindo do litoral potiguar passa por Serra Negra do Norte, corta São José de Espinharas pelo lado Oeste do Riacho Cajazeiras, um afluente do Espinharas, alcançando a BR 110 que desta feita interliga-se com a BR 230, desmandando ao Estado do Pernambuco. A Sistemática do Município de São José de Espinharas no que tange às atividades rurais agrícolas são as seguintes: Agricultura, criação de bovinos, suínos, caprinos, e atividades de outros suportes de manutenção Básica Familiar. A agricultura predomina como de subsistência atualmente.

População de São José de Espinharas no Ano de 1970

No Recenseamento do ano de 1970, o Município de São José de Espinharas contava com uma população de 8.650 habitantes numa área de 735,8 Km2, há uma década depois este número teve uma redução, caindo para 8.420 em números matematicamente redondos, este fenômeno ocorreu em dezenove Municípios de vários pontos do Estado da Paraíba, sendo o caso mais notório o de São Miguel do Taipú, que em 1970 acusou uma população de 7.900 habitantes, tendo reduzido há uma década depois para 4.900 no ano de 1980 nesta fase já se iniciava o êxodo rural que se dava por falta de condições levando muita gente para o Sul e Sudeste do Brasil. Atualmente o Município de São José de Espinharas consta de uma população de 5.102 habitantes, segundo o Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) do ano de 2000.

História da Fazenda São José e Casa Grande - Fundação Histórica

Logo após o Descobrimento do Brasil em 1500, o Rei de Portugal dividiu o Brasil em 15 (quinze) lotes de terras denominadas de Capitanias Hereditárias, isto porque passava de Pai para filho. O então Pero Lopes de Sousa herdou entre os lotes de terras brasileiras 03 (três) Capitanias: Capitania de Santo Amaro e a de Itamaracá. Pero Lopes de Sousa governou a Capitania de Itamaracá de 1534 a 1539, quando morreu em um naufrágio. Depois deste acontecimento veio substituí-lo um Português chamado de João Gonçalves.

O Rei de Portugal bastante preocupado com os sucessivos ataques de indígenas e Franceses resolveu tomar posse efetiva da terra, criando a capitania Real de Paraíba fato ocorrido em 1574, daí então em 1826 o Comandante José Raimundo Vieira, natural de Iço, no Estado do Ceará adquiriu uma Sesmaria, com seis léguas quadradas, encravada no litoral da Borborema, onde o mesmo instalou a Fazenda São José de sua propriedade, e em seguida construiu a primeira residência do Município Casa Grande. Ali seria posteriormente a Vila São José. O Comandante José Raimundo e sua esposa a Srª Clementina Sotero de Melo, passaram a residir na Casa Grande, nascendo do casal uma filha única. Mais tarde Miguel Sátyro de Sousa, Cavaleiro da Ordem Imperial de Portugal, veio a se casar com a filha unigênita do Fundador, fixando-se as margens do Rio Espinharas juntamente com seu irmão o Padre Aquiles de Sousa Sátyro, (conhecido como Padre Aquiles).

Fundação da Primeira Capela de São José

O Capitão Miguel Sátyro de Sousa, sendo um homem de bons princípios religiosos e de Família tradicional católica doou parte de suas terras, para se tornarem Patrimônio da Igreja Particular de São José, onde seriam edificados sucessivamente um Cemitério e uma Capela, por volta do ano de 1930 tendo como primeiro Vigário o seu irmão Padre Aquiles de Sousa Sátyro. Com o passar dos anos foi construída a Capela de São José

Ocupação do Município de São José de Espinharas

A ocupação do Município de São José de Espinharas é em comum com o de Patos, pois ao tempo em que as levas de Sertanistas se dirigiam para o interior à procura de terras, a freguesia de Nossa Senhora Daguia que abrangia uma área compreendida desde os limites com Pombal, até a Serrra da Viração. Estes sertanistas na maioria dos casos foram os Pastores dos Oliveiras Ledo, que vindo dos sertões do São Francisco instalaram-se na Serra dos Cariris Velhos, e se espalharam pelo interior, requerendo em larga escala as chamadas Sesmarias. Daí vem na história o Barão de Auquiraz. O mais conhecido dos Oliveiras foi o Capitão Teodosio de Oliveira Ledo que vencendo a resistência dos Pegas e Panatis , ocupou a área das Espinharas. Criando o Município de Patos em 1832, depois este se subdividiu em Distritos, sendo São José de Espinharas o de maior área. Somente em fins de 1961 foi que a Requerimento do então Deputado na época José Cavalcante, todos os Distritos de Patos foram Emancipados, passando a cidade com exceção de Santa Gertrudes.

Criação do Município de São José de Espinharas

O Município de São José de Espinharas fio criado pela Lei 2.697 de 26 de Dezembro de 1961, a requerimento do Deputado Estadual José Cavalcante e sancionada pelo Governador Pedro Moreno Gondim, sendo nomeado conseqüentemente como Interventor o Sr Pedro Marinho da Nóbrega residente na Várzea de Laranjeiras. A primeira eleição para Prefeito Municipal ocorreu em 15 de novembro de 1962 sendo eleito Mozart Wanderley da Nóbrega e o seu Vice-Prefeito Roldão Caroca. Curioso é que naquela época as eleições tinham chapas separadas e os candidatos eram votadas separados: votava-se em Vice numa chapa e Prefeito na outra. O fato interessante é que Roldão Caroca obteve mais votos como Vice do que Mozart como Prefeito.

Professor Severino Primo de Medeiros (Severino Violão)

Fonte:Redação

Nenhum comentário: